Uma provocação à fronteira da ciência

Se considerarmos que a Ciência é construída, na fronteira, pelo constante conflito de ideias – algumas corretas, outras incorretas – e que, portanto, naturalmente, as conclusões científicas só podem ser consideradas, com razoável grau de confiança, provisoriamente corretas diante da sobrevivência a quantidade considerável de tentativas de falseamento; o que, por sua vez, em geral, correlaciona-se fortemente com o tempo de existência destas conclusões…

Então, é correto afirmar que quanto mais próximos estamos da fronteira do conhecimento de um campo científico, irremediavelmente mais incertos são os nossos conhecimentos?

Uma conclusão científica hoje tem menos valor do que uma conclusão científica que permanece sustentada há oito décadas?

Seria um erro depositar o mesmo volume de crença que se deposita a conclusões científicas centenárias a conclusões científicas recentes?

Cuspir working papers que saíram ontem como evidências a um problema que enfrentamos hoje é científico?

Deixe uma resposta